Páginas

28 de out de 2009

A felicidade e a realização pessoal são coisas subjetivas e íntimas.


Neste dois dias, li 3 reportagens na Revista Época (aqui, aqui e aqui) sobre a felicidade feminina e realização pessoal da mulher. A principal fala de um estudo que diz que a cada ano que se passa as mulheres se sentem cada vez mais infelizes. Segundo o estudo, apesar dos avanços para nós mulheres no mercado de trabalho, condições de estudo, liberdade de escolha em temas de ordem afetiva, vivemos infelizes e insatisfeitas.
A pesquisa peca por generalizar algo que é muito pessoal e subjetivo. Pois o sentido de felicidade e realização pessoal é diferente para mim, diferente para a minha mãe, diferente para a minha irmã, diferente para o meu pai e etc. Cada um tem o seu conceito de felicidade e realização pessoal. E estes mesmos conceitos podem ser aplicados em diversas situações em uma mesma pessoa. Exemplo, minha mãe pode ser feliz e se sentir realizada em seu hobby e ao mesmo tempo triste e frustado em outro assunto.
No meu caso, não faço do casamento um objetivo de vida. Neste momento, casamento ou um relacionamento mais íntimo com alguém não é meu objeto de felicidade e realização pessoal. Quem sabe no futuro eu possa mudar de opinião. Para você pode ser. A mesma coisa com o trabalho. Pode ser que aquela promoção é meu objeto de desejo e realização pessoal. A questão é como atingir isto sem sacrificar os seus princípios e principalmente a sua saúde, porque sem saúde é quase impossível de se conseguir felicidade, mas ainda sim, é possível.
Isto também levanta outra questão: Buscamos a nossa felicidade e realização pessoal ou a aceitação das pessoas? Queremos casar porque queremos viver juntos ou irá casar porque a sociedade acha que é o correto, mesmo que não admitindo isto? Até que ponto as conquistas feministas viraram obrigação da mulher e não UM DIREITO DE ESCOLHA? Uma mulher pode se sentir realizada em não trabalhar. Se isto a deixa feliz é um direito e uma escolha dela. A sociedade não deve questionar e sim aceitar pois foi uma escolha dela e não da sociedade.
Mesmo assim, muitas mulheres, infelizmente, não conseguem ter o seu direito de escolha, pelas condições sociais e ambientais em que vivem. Porém não quer dizer que elas não tenham felicidade e realização pessoal. É como eu disse: É algo subjetivo e íntimo.
A sociedade também cobra dos homens algumas normas e se esquecem de perguntar se é isto que eles querem também. Talvez na pesquisa não apareça tanto homem dizendo que está infeliz e insatisfeito, mas por medo da opinião alheia não assume.
Por tudo isto é que eu acho que esta pesquisa é falha. Felicidade e satisfação pessoal são conceitos individuais. É como o DNA. Cada um tem o seu e é único, pessoal e intranferível.

3 comentários:

  1. Ah, concordo contigo. Cada um considera algo que faz a pessoa feliz, às vezes, o que faz fulano feliz, não faz o ciclano feliz. :)
    Beijo! :)

    ResponderExcluir
  2. Concordooo! Eu por exemplo sou de fases amiga.. em tempos em tempo uma determinada coisa me faz mais feliz que outra... vai entender...rs

    ResponderExcluir
  3. aiga, mais de dois meses passaram, muita coisa aconteceu, demorei, mas estou de volta..

    concordo plenamente com tudo que disse no teu texto.. assim como a amiga do comment acima sou uma pessoa de fases, e em cada uma delas tenho algo especial q me faz feliz..

    bjoks mil e ótimo findi..

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...